Skip to content

Portal UNICAMP – O olhar dos geógrafos sobre o patrimônio cultural e o turismo no Brasil

05/15/2010

http://www.unicamp.br/unicamp/divulgacao/2010/05/14/o-olhar-dos-geografos-sobre-o-patrimonio-cultural-e-o-turismo-no-brasil

O olhar dos geógrafos sobre o patrimônio cultural e o turismo no Brasil

Edição das imagens:

Everaldo Silva

Maria Tereza Duarte Paes: “A geografia não pode ficar fora de um processo que lida com conceitos espaciais”

[13/5/2010] A geografia, tradicionalmente, nunca se ocupou dos bens culturais e das atividades turísticas no Brasil, mas isso vem mudando nos últimos anos. “Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural” é o título de um seminário que chega à sua terceira edição e também de um livro reunindo autores geógrafos que concederam palestras na edição passada. O evento organizado pelo Instituto de Geociências (IG) da Unicamp foi aberto nesta quinta-feira (13), com o lançamento da publicação, e prossegue na sexta, no salão nobre da Faculdade de Educação.

Seminário: reflexões sobre o uso e a ocupação do território a partir da patrimonialização e da valorização turística

“O seminário e a coletânea servem para marcar território, já que a geografia não trabalhava antes com o patrimônio cultural. É uma contribuição contemporânea, tanto teórica como prática, procurando dar densidade às reflexões sobre o uso e a ocupação do território a partir da patrimonialização e da sua valorização turística”, afirma a professora Maria Tereza Duarte Paes, que coordena o evento e organizou o livro juntamente com Melissa Ramos da Silva Oliveira, sua colega do IG.

geografia_livro_290x400_.jpg

A docente da Unicamp também coordena o Grupo de Pesquisa Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, que realiza estudos teóricos e empíricos em vários sítios históricos, como São Luiz do Paraitinga (SP), Ouro Preto (MG) e o Pelourinho em Salvador (BA). “O olhar do geógrafo começa pela própria espacialidade, pois entendemos o espaço como uma produção social. É fundamental pensar as lógicas por trás desse processo que o senso comum identifica rapidamente como paisagem, mas que vai gerar importantes transformações socioespaciais”.

Maria Tereza Paes observa que toda abordagem sobre o patrimônio cultural pede um recorde espacial. “O conceito de paisagem cultural tem sido uma ferramenta importante para a Unesco em processos de tombamento, havendo a própria discussão em torno do Rio de Janeiro. Já o Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional], mesmo ao inventariar patrimônios imateriais, vai selecionar seus territórios, ou seja; é no espaço que se materializa a ideia do tombamento. E a geografia, que lida com esses conceitos espaciais, não pode ficar fora do processo”.

Na mesa de abertura do seminário, o professor André Tosi Furtado, diretor associado do IG, atentou que a relação entre a preservação patrimonial e as práticas de planejamento do território é um tema relevante para um país dotado de rico patrimônio cultural, mas que pouco o valoriza. “Quanto ao turismo, talvez seja a atividade que mais crescerá no futuro, à medida que a renda per capita aumentar. Entretanto, associar turismo com preservação do patrimônio é um desafio para o país. Em pesquisa do Ministério do Tursmo para saber o que motiva as pessoas a viajar, apenas 1,9% apontaram a história e a arte”.

Programação
A programação do III Seminário de Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural traz três mesas redondas focando os centros históricos urbanos no Brasil, o turismo em áreas patrimonializadas e imagem e ideologia espacial do patrimônio cultural, além da conferência sobre turismo e patrimônio proferida por Rodolfo Bertoncello, da Universidade de Buenos Aires. A sexta-feira está sendo tomada praticamente pelas oficinas em torno de geotecnologias associadas a patrimônio, políticas e planejamento em turismo, a cultura como fetiche e planos de gestão e manejo de parques naturais.

Anúncios

Encerramento das inscrições antecipadas

05/12/2010

Informamos que as incrições antecipadas para o III Seminário estão encerradas.

Novas inscrições poderão ser realizadas no início do evento, a partir das 8h da próxima quinta-feira, no Salão Nobre da Faculdade de Educação da UNICAMP.

Ainda há vagas para as oficinas.

Locais das oficinas

05/12/2010

As oficinas ocorrerão no dia 14, das 8h as 12h nas seguintes salas:

.

1. Geotecnologias e patrimônio cultural: o que se pode fazer?

Prof. Dr. Lindon Fonseca Matias (IG/UNICAMP)

Sala MD-02 – Prédio da Engenharia Básica, ao lado do Instituto de Geociências

.

2. Políticas e planejamento em turismo

Ms. Carolina Todesco (DG/FFLCH/USP)

Sala EB-03 – Prédio da Engenharia Básica, ao lado do Instituto de Geociências

.

3. Planos de gestão e manejo de parques naturais: metodologia e implantação

Prof. Dr. Sidnei Raimundo (EACH/USP)

Sala EB-04 – Prédio da Engenharia Básica, ao lado do Instituto de Geociências

.

4.  A hospitalidade e seus símbolos: a cultura como fetiche

Profa. Ms. Alissandra Nazareth de Carvalho (UFSCAR, Campus Sorocaba)

Sala A DGRN – Prédio do DGRN, na mesma quadra do prédio principal do Instituto de Geociências

Livros à venda durante o III Seminário

05/10/2010

Participarão da sessão de autógrafos do III Seminário de Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, os seguintes autores e títulos:

.

Leonardo Barci Castriota. Patrimônio Cultural: conceitos, políticas, instrumentos. Editora Annablume

Maria Tereza Duarte Paes e Melissa Ramos da Silva Oliveira. Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural. Editora Annablume

Rafael Winter Ribeiro. Paisagem Cultural e Patrimônio. Edições IPHAN

Rita de Cássia Ariza da Cruz. Geografias do Turismo, de lugares à pseudo-lugares. Editora Roca

.

Além desses títulos, também poderão ser adquiridos no estande de livros do III Seminário as seguintes publicações do Programa de Especialização em Patrimônio do IPHAN:

Patrimônio: práticas e reflexões – volumes 1, 2 e 3

As missões da Unesco no Brasil: Michel Parrent

Sonia Rabello. O Estado na preservação dos bens culturais: o tombamento

Juliana Sorgine. Salvemos Ouro Preto: a campanha em benefício de Ouro Preto, 1949-1950

Agência FAPESP – Dimensões do espaço turístico

05/06/2010

Matéria da Agência FAPESP de hoje apresenta o livro Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, que será lançado durante III Seminário:

http://www.agencia.fapesp.br/materia/12139/especiais/dimensoes-do-espaco-turistico.htm 

Especiais

Dimensões do espaço turístico

6/5/2010

Por Alex Sander Alcântara

Agência FAPESP – O patrimônio cultural tem uma dimensão espacial que é constitutiva de sua própria identidade. Essa é a ideia que permeia grande parte da coletânea Geografia, turismo e patrimônio cultural, que acaba de ser lançada.

O livro é resultado de seminários realizados pelo grupo de pesquisa Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, pertencente ao Laboratório de Geografia Urbana do Departamento de Geografia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A coletânea com oito artigos analisa e faz uma interpretação geográfica dos nexos entre patrimônio cultural, turismo e território. De acordo com uma das organizadoras do livro, Maria Tereza Paes, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Geociências da Unicamp, a proposta foi intencional.

“A coletânea tem o objetivo de demarcar o território para uma abordagem geográfica do patrimônio cultural, área que tradicionalmente é tratada por historiadores, urbanistas e arqueólogos. E a geografia praticamente não tem tradição nessa área”, disse à Agência FAPESP.

Segundo a pesquisadora – que faz a introdução da obra –, o conceito de “paisagem cultural” já era objeto de reflexão da geografia na década década de 1920 com a geografia cultural de Karl Sauer. “Com a supervalorização da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), a partir da ampliação do debate e dos processos de tombamento, as paisagens culturais, por exemplo, ressurgem para a nossa reflexão com mais intensidade”, disse.

A coletânea é o primeiro livro do grupo de pesquisa e recebeu apoio da FAPESP por meio da modalidade Auxílio à Pesquisa – Publicações.

Segundo Maria Tereza, foram convidados somente geógrafos que haviam participado dos dois primeiros seminários realizados em 2004 e 2005, além de quatro orientandos de mestrado. O lançamento oficial será durante o 3º Seminário de Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, que será realizado nos dias 13 e 14 de maio, na Unicamp.

Um dos conceitos discutidos na obra é o de “refuncionalização” do patrimônio cultural. De acordo com a organizadora, nos projetos e planos locais de políticas públicas é muito comum ouvir falar em “requalificação”, “reabilitação” ou “revitalização” quando se fala em patrimônio cultural.

“Para a geografia, quando discutimos patrimônio cultural, esse processo histórico e político de seleção de bens e paisagens é pensado em termos de produção do espaço. Enquanto isso, a refuncionalização do patrimônio implica em trazer novas funções às formas passadas, sejam elas artificiais ou naturais, pois também o chamado patrimônio natural envolve um processo de seleção. A partir do momento em que a natureza é patrimonializada e tombada, ela ganha um valor cultural e político”, disse Maria Tereza.

Segundo a pesquisadora, mesmo o chamado patrimônio imaterial não pode prescindir da escala espacial. “É aí que se vê a importância da geografia que trabalha com as lógicas espaciais, com a produção do espaço e com a forma de apropriação e de valorização do território”, apontou.

Outro aspecto analisado na obra é o que a pesquisadora compreende como “redução narrativa, contribuição de Vicent Berdoulay, seu colaborador francês, a partir da espetacularização da imagem”, que é a sua utilização como uma ideologia espacial.

“As políticas públicas para o turismo investem em determinadas imagens, personificadas em cartão-postal para vender e valorizar as localidades. Há uma eleição de uma imagem que deve ser priorizada e, por consequência, escondem-se outras”, disse.

Ela ilustra a discussão com os casos de Ouro Preto (MG), São Luiz de Paraitinga (SP) e do Pelourinho em Salvador, que são analisados em quatro capítulos do livro. “A imagem do Carnaval de Paraitinga, que ilustra a capa, é contrastante com a de uma cidade interiorana, pacata e caipira. Mas o objetivo é valorizar a cena, o espetáculo”, disse.

Preservação do patrimônio

O primeiro capítulo, Turismo e patrimônio, entre a cultura e o negócio, foi escrito por Rodolfo Bertoncello, da Universidade de Buenos Aires. “Ele discute como pensar o patrimônio, a valorização, o desenvolvimento turístico e o desenvolvimento local. Entra na discussão da valorização turística do patrimônio, principalmente a partir da década de 1990, em um momento em que o patrimônio cultural já tinha virado um produto comercial internacional, diferentemente de países como a França, por exemplo”, disse Maria Tereza.

“Mas, atualmente, estamos em um momento importante de valorização do patrimônio, não só com preocupação no turismo, mas também com a permanência das populações locais. O turismo não é ruim, traz aporte financeiro, interesses e projetos. A questão é não tornar demasiadamente turístico, como se fosse somente essa lógica possível para pensar o patrimônio”, afirmou.

Segundo ela, o patrimônio cultural tem de fazer sentido para a população, e não só para o olhar do turista, que é um olhar transitório e efêmero. “Hoje, temos políticas preocupadas com o desenvolvimento local, além de uma maior preocupação na preservação do patrimônio e na estruturação urbana para essas populações”, disse.

No capítulo Geotecnologias e patrimônio arquitetônico: potencialidades no mapeamento e análise para fins turísticos, de Lindon Fonseca Matias, professor do Departamento de Geografia da Unicamp, é oferecida uma contribuição mais aplicada às finalidades do planejamento e gestão de atividades em sítios urbanos.

“O emprego e a produção de técnicas de geogerenciamento, de documentos cartográficos e de novas geotecnologias são apresentadas de maneira didática, visando a instrumentalizar o planejamento territorial na gestão das cidades turísticas. No texto, o autor também fornece uma contribuição do ponto de vista do conhecimento geográfico a partir das novas dimensões que são apresentadas para a compreensão do processo de produção do espaço”, disse Maria Tereza.

  • Título: Geografia, turismo e patrimônio cultural
    Autores: Maria Tereza Duarte Paes / Melissa Ramos da Silva Oliveira (organizadoras)
    Páginas: 230
    Preço: R$ 40
    Mais informações: www.annablume.com.br

III Seminário na Agência FAPESP

05/04/2010

http://www.agencia.fapesp.br/materia.php?id=12123

Agenda

3º Seminário de Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural

3/5/2010

De 13/5/2010 a 14/5/2010

Faltam 9 dias para o início do evento. Duração: 2 dias

Agência FAPESP – O Instituto de Geociências (IG) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) promoverá, os dias 13 e 14 de maio, em Campinas (SP), a terceira edição do Seminário de Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural.

Segundo os organizadores, o seminário objetiva dar continuidade às discussões realizadas nos seminários anteriores voltando-se, na nova edição, à discussão sobre os processos de gestão pública e privada dos centros históricos no Brasil, ao processo de ideologia espacial que envolve a formação de imagens em paisagens patrimonializadas e aos projetos de intervenção e turistificação do patrimônio cultural nas cidades brasileiras.

O evento é destinado a pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação, professores do ensino médio e superior das redes pública e privada, representantes do poder público e da sociedade civil envolvidos e interessados no aprofundamento teórico, prático e político sobre a relação entre patrimônio cultural, turismo e geografia.

Haverá mesas-redondas, conferências e oficinas. A conferência “Patrimônio cultural, turismo e território” será proferida por Rodolfo Bertoncello, da Universidade de Buenos Aires.Na ocasião, também será lançado o livro “Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural”.

“Geotecnologias e patrimônio cultural: o que se pode fazer?”, “Políticas e planejamento em turismo”, “A hospitalidade e seus símbolos: a cultura como fetiche”, “Patrimônio cultural: imagem e ideologia espacial”, entre outros, serão alguns dos assuntos em discussão no seminário.

O evento será realizado no salão nobre da Faculdade de Educação da Unicamp, localizado na av. Bertrand Russel, 801, Cidade Universitária Barão Geraldo. As oficinas serão realizadas em salas de aula do Instituto de Geociências.

Lançamento do Livro – Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural

04/06/2010

Uma das atividades do III Seminário será o lançamento do livro Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, organizado por Maria Tereza Duarte Paes e Melissa Ramos da Silva Oliveira e publicado recentemente pela Editora Annablume. O livro é resultado dos trabalhos apresentados no I e II Seminários de Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural, realizados em 2004 e 2005, e de quatro dissertações de mestrado defendidas no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNICAMP. A coletânea apresenta textos que se dedicam a realizar uma interpretação geográfica dos nexos entre patrimônio cultural, turismo e território.